Script de estatística do portal - depende da habilitação de javascript.

Ministério da Saude SUS Governo Federal

O Ministério da Saúde é o órgão do Poder Executivo Federal responsável pela organização e elaboração de planos e políticas públicas voltados para a promoção, prevenção e assistência à saúde dos brasileiros.

Bloco G - Esplanada dos Ministérios, Brasília - DF 70058-900 Telefone:(61) 3315-2425 | Disque 136 Ouvidoria Geral do SUS Horas: quinta-feira 08:00 – 18:00

Portal da Saúde

Data de Cadastro: 14/09/2017 as 10:09:57 alterado em 20/09/2017 as 17:09:22


Os primeiros resultados da Rede serão apresentados durante a Conferência Ministerial da OMS sobre Tuberculose, que ocorrerá em Moscou, em novembro próximo.


Nos dias 14 e 15 de setembro, o Ministério da Saúde do Brasil sediará, no Rio de Janeiro, o 1º Encontro da Rede de Pesquisa de Tuberculose dos BRICS, bloco composto por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. O encontro será uma oportunidade para definir os mecanismos de gestão e operação da Rede e ajustar um cronograma para as atividades. A criação da Rede foi uma proposta liderada pelo Brasil e acordada no Comunicado Conjunto de Tianjin durante a 7ª Reunião de Ministros da Saúde dos Países BRICS, realizada em julho na China.

Cerca de 50% da carga mundial de TB está concentrada nesses cinco países, e, portanto, podem desenvolver uma resposta comum para a doença. Por isso, a Rede de Pesquisa em TB significa um passo importante na luta contra a tuberculose. Esta é uma oportunidade para que os países assumam a liderança para avançar em pesquisas e desenvolvimento necessários para combater a doença.

Em 2014, na reunião de Ministros da Saúde do BRICS em Brasília, os chefes de Estado acordaram a criação do Plano de Cooperação em Tuberculose do BRICS, considerando o impacto da doença nos países do BRICS e em muitos países em desenvolvimento. Esse plano foi, posteriormente, aprovado na Reunião de Ministros de Saúde do BRICS em Nova Délhi, em 2016.

Durante o evento, a Rede pretende assinar o Termo de Referência da Rede de Pesquisa em TB dos BRICS, com a definição dos mecanismos operacionais de gestão da rede de pesquisadores em TB do bloco; compor uma lista de organizações parceiras estratégicas e atores-chave; e propor um Programa para realização de atividades esperadas do eixo 2 do Plano de Cooperação em TB dos BRICS - pesquisa científica, desenvolvimento e inovação no diagnóstico, vacinas e tratamento, incluindo resistência a medicamentos e prestação de serviços de TB.

Os resultados da reunião devem ser apresentados na Primeira Conferência Ministerial da OMS sobre Tuberculose – Eliminar a Tuberculose na Era dos ODS: uma resposta multissetorial –, que será realizada em Moscou/Rússia, em novembro desse ano.

Participarão do encontro gestores nacionais de programas de tuberculose nos países BRICS e representantes da academia - pesquisadores que estabeleceram diálogo estreito com os programas nacionais e que tem atividades de pesquisa relevantes em curso sobre a tuberculose e temas relacionados. Também integrarão os debates representantes da área de TB da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).

REDUÇÃO DE CASOS O Brasil conseguiu atingir as metas dos Objetivos do Milênio (ODM) de combate à tuberculose com três anos de antecedência. Em 2015, aderiu ao compromisso global de redução de 95% dos óbitos e 90% do coeficiente de incidência da doença até 2035. 

Em 2016, foram registrados 69,5 mil casos novos de tuberculose no Brasil. No período de 2007 a 2016, o coeficiente de incidência da doença apresentou uma variação média anual de 1,2%, passando de 37,9/100 mil habitantes, em 2007, para 33,7/100 mil habitantes em 2016. Os maiores coeficientes de incidências de tuberculose estão nos estados do Amazonas e Rio de Janeiro, com 68,2 e 63,8 casos novos por 100 mil habitantes. Já os estados do Tocantins e Distrito Federal - com 11,0 e 11,2 casos novos por 100 mil habitantes, respectivamente - são os que estão com os menores coeficientes de incidência no ano de 2016.

O coeficiente de mortalidade por tuberculose apresentou redução de 11,5%, passando de 2,6/100 mil habitantes, em 2006, para 2,3/100 mil habitantes em 2015. O Brasil registrou 4,6 mil óbitos por tuberculose em 2015. No mundo, no mesmo ano, a tuberculose foi a doença infecciosa que mais causou mortes.

PLANO NACIONAL– Em junho desse ano, o MS lançou o Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose. O plano ratifica o compromisso com a Organização Mundial da Saúde (OMS) de reduzir a incidência da doença na população mundial, que hoje é de 33,7 casos para cada 100 mil habitantes. A meta é chegar a menos de 10 casos por 100 mil habitantes até o ano de 2035. O Brasil também assume o compromisso de reduzir o coeficiente de mortalidade para menos de 1 óbito por 100 mil habitantes.

Por Anna Lima, do Nucom AISA

Saúde baseada em evidências
Disque Saúde - Ouvidoria Geral do SUS
Ministério da Saúde - Governo Federal - Brasil