Script de estatística do portal - depende da habilitação de javascript.

Ministério da Saude SUS Governo Federal

O Ministério da Saúde é o órgão do Poder Executivo Federal responsável pela organização e elaboração de planos e políticas públicas voltados para a promoção, prevenção e assistência à saúde dos brasileiros.

Bloco G - Esplanada dos Ministérios, Brasília - DF 70058-900 Telefone:(61) 3315-2425 | Disque 136 Ouvidoria Geral do SUS Horas: quinta-feira 08:00 – 18:00

Portal da Saúde

Data de Cadastro: 12/03/2015 as 12:03:03 alterado em 12/03/2015 as 18:03:44

Levantamento é fundamental para orientar as ações de controle da dengue. Até 7 de março, foram registrados 224,1 mil casos de dengue no país. Houve redução no número de óbitos

Novo mapa da dengue mostra que 340 municípios brasileiros estão em situação de risco para a ocorrência de epidemias e 877 estão em alerta. O Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti(LIRAa), divulgado nesta quinta-feira (12) pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro, revela ainda que outras 627 cidades apresentam índice satisfatório. No total, 1.844 municípios brasileiros realizaram o levantamento, entre janeiro e fevereiro deste ano, um aumento de 26,38% em relação aos participantes de 2014. No ano passado, 1.459 municípios fizeram a pesquisa no mesmo período do ano.

Confira a apresentação

Lista dos municípios participantes do LIRAa

O LIRAa é considerado um instrumento fundamental para orientar as ações de controle da dengue e chikungunya. O levantamento identifica os bairros onde estão concentrados os focos de reprodução do mosquito transmissor das doenças e os tipos de recipientes com água parada, que servem de criadouros mais comuns. A      pesquisa proporciona informação qualificada para atuação das prefeituras nas ações de prevenção e controle, permitindo a mobilização de outros setores, além das secretarias de saúde, como os serviços de limpeza urbana e abastecimento de água.

O índice utilizado no LIRAa leva em consideração a percentagem de casas visitadas com larvas do mosquito Aedes aegypti. Os municípios classificados como de risco apresentam larvas do mosquito em mais de 3,9% dos imóveis pesquisados. É considerado estado de alerta quando menos de 3,9% dos imóveis pesquisados têm larvas do mosquito; e satisfatório quando o índice está abaixo de 1% de residências com larvas do mosquito.

Durante a coletiva de apresentação do novo LIRAa, o Ministro da Saude, Arthur Chioro, destacou que o aumento de municípios participantes mostra que o estudo está se consolidando como ferramenta importante de combate à dengue. “Tão importante quanto fazer o LIRAa, é seguir as informações apresentadas pelo levantamento para corrigir os problemas”, alertou Chioro. Ele ressaltou que o combate à dengue deve ser feito com o fortalecimento da prevenção, medida que conta com o envolvimento da população e das prefeituras.

Segundo o ministro, 15 minutos são suficientes para que as famílias façam uma vistoria em casa e elimine qualquer situação que possa acumular água parada, servindo de criadouro do mosquito. “São medidas simples, como tampar caixas-d’água, retirar pratos de vasos de plantas, limpar calhas, lavar vasilha de água de animais, entre outros recipientes de estocagem de água”, 

ALERTA - Pelo levantamento, Cuiabá (MT) é a única capital em situação de risco. São 18 as capitais que apresentaram índice de alerta - Aracajú (SE), Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), Macapá (AP), Maceió (AL), Manaus (AM), Palmas (TO), Porto Alegre (RS), Porto Velho (RO), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São Luís (MA), São Paulo (SP) e Vitória (ES). Estão em situação satisfatória João Pessoa (PB), Teresina (PI) e Brasília (DF). Já as capitais Boa Vista (RR), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Natal (RN) e Rio Branco (AC) não apresentaram ao Ministério da Saúde os resultados do LIRAa.

A região Nordeste concentra a maioria dos municípios com índices de risco de epidemia de dengue (171); seguido do Sudeste (54); Sul (52); Norte (46); e Centro-Oeste (17).

DEPÓSITO PREDOMINANTE - Além de ajudar os gestores a identificar os bairros em que há mais focos de reprodução do mosquito, o LIRAa também aponta o perfil destes criadouros. Os focos podem estar em formas de armazenamento de água, em caixa d’água; no lixo que não está sendo manejado adequadamente; e em depósitos domiciliares, como vasos de plantas.

Esse panorama varia entre as regiões. Enquanto nas regiões Sul, Norte e Centro-Oeste, a maioria dos focos está no lixo, no Nordeste o armazenamento de água é a principal fonte de preocupação. Já no Sudeste, a maioria dos focos foi encontrado nos depósitos domiciliares.

Criadouros por região

Região

Armazenamento

de água

Depósitos domiciliares

Lixo

Norte

24,5

27,3

48,2

Nordeste

76,5

17,8

5,7

Sudeste

21,7

52,6

25,7

Centro Oeste

24,2

24,2

51,6

Sul

14,8

32,5

52,7

 

BALANÇO – O Ministério da Saúde registrou, até 7 de março, 224,1 mil casos de dengue no país. O aumento é de 162%, comparado ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 85,4 mil casos. Na comparação com 2013, houve redução de 47%, ano em que foi registrado 425,1 mil casos da doença. Embora tenha ocorrido aumento de casos na comparação do período, o número de óbitos caiu 32%, passando de 76 mortes, em 2014, para 52, neste ano. Também houve redução de 9,7% nos registros de casos graves. Em 2015, foram confirmados 102 casos de dengue grave, contra 113 em 2014. O Ministério registrou 913 casos confirmados de dengue com sinais de alarme.

O estado do Acre apresenta a maior incidência de dengue, com 695,4 casos por 100 mil habitantes, seguido por Goiás, com 401 casos por 100 mil habitantes, e São Paulo, com incidência de 281 casos por 100 mil habitantes. Vale ressaltar que o período de maior transmissão da dengue no ano vai de março a maio, o que reforça a importância do uso do LIRAa para direcionar as ações de controle da dengue.

CHIKUNGUNYA - O Ministério da Saúde registrou 1.049 casos autóctones confirmados de febre chikungunya, até 7 de março, sendo 459 na Bahia e 590 no Amapá. Em 2014, foram confirmados 2.773 casos autóctones da doença, ou seja, de pessoas sem registro de viagem para países com transmissão da doença, como República Dominicana, Haiti, Venezuela e Ilhas do Caribe. Os casos foram registrados nos estados do Amapá, Bahia, Distrito Federal, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Roraima. Entre 2014 e 2015, foram confirmados 100 casos importados da doença, de pessoas que viajaram para estes países.

REFORÇO - Para qualificar as ações de combate aos mosquitos transmissores da dengue e do chikungunya, o que inclui a contratação de agentes de vigilância, o Ministério da Saúde repassou um recurso adicional de R$ 150 milhões a todos os estados e municípios brasileiros. Deste total, R$ 121,8 milhões foram para as secretarias municipais de saúde e R$ 28,2 milhões para as secretarias estaduais. O valor representa um subsídio de 12% do valor anual do Piso Fixo de Vigilância e Promoção da Saúde de R$ 1,25 bilhão.

A ação contra a dengue é permanente e foi reforçada com a distribuição de insumos estratégicos, como larvicidas, inseticidas e kits para diagnóstico. O Ministério da Saúde também está fortalecendo a preparação com a divulgação dos planos de contingência nacional para febre chikungunya e dengue e assessoria a estados na criação dos planos locais, além da divulgação dos guias de vigilância.

Na área de assistência ao paciente, a página da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) disponibiliza aos profissionais de saúde os guias de manejo clínico e protocolo de classificação de risco para dengue e chikungunya. O material, também disponível em aplicativos para celular, orientação o profissional sobre sinais de agravamento da doença. O portal da Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS) disponibiliza o curso de capacitação à distância sobre assistência a pacientes com dengue. Um módulo sobre chikungunya está sendo preparado. Os profissionais de saúde da atenção básica também têm a disposição o serviço de telessaúde para esclarecer dúvidas sobre a doença.

O Ministério da Saúde promoveu, ainda, dois grandes mutirões de combate à dengue. Chamados de Dia D de combate ao Aedes Aegypti, as mobilizações mostraram como, em 15 minutos, é possível fazer uma vistoria nas casas e eliminar os locais que podem se transformar em criadouros da doença.

DIVULGAÇÃO - Desde novembro do ano passado, o Ministério da Saúde e as secretarias municipais de saúde veiculam a campanha de combate à dengue e ao chinkungunya, que tem como slogan “O perigo aumentou. E a responsabilidade de todos também”. São divulgadas orientações à população sobre como evitar a proliferação dos mosquitos causadores das doenças e alertar sobre a gravidade das enfermidades. O Ministério da Saúde recomenda algumas medidas de prevenção, entre elas: manter as caixas d’água e outros recipientes de armazenamento de água fechados; colocar as garrafas com a boca para baixo; não deixar água acumulada sobre a laje ou calhas; manter a lixeira fechada; colocar areia nos pratos das plantas, entre outras.

Casos notificados até 7 de março (Semana epidemiológica 9) - Incidência (casos por 100 mil habitantes)

 

Semana 9

Região/Unidade da Federação

Casos

Incidência

2014

2015

2014

2015

Norte

         5.566

      12.001

32,2

69,5

Rondônia

            469

           893

26,8

51,1

Acre

            315

        5.494

39,9

695,4

Amazonas

         2.189

        1.286

56,5

33,2

Roraima

            140

           219

28,2

44,1

Pará

         1.225

        1.443

15,1

17,8

Amapá

              60

           630

8,0

83,9

Tocantins

         1.168

        2.036

78,0

136,0

Nordeste

       10.601

      21.472

18,9

38,2

Maramhão

            390

           916

5,7

13,4

Piauí

            599

           480

18,7

15,0

Ceará

         2.903

        5.074

32,8

57,4

Rio Grande do Norte

         1.552

        3.100

45,5

90,9

Paraíba

            834

           848

21,1

21,5

Pernambuco

            897

        4.631

9,7

49,9

Alagoas

         1.345

        1.772

40,5

53,3

Sergipe

              97

           895

4,4

40,3

Bahia

         1.984

        3.756

13,1

24,8

Sudeste

       37.129

    145.020

43,6

170,4

Minas Gerais

       13.788

      13.690

66,5

66,0

Espírito Santo

         5.058

        1.899

130,2

48,9

Rio de Janeiro

         2.678

        5.693

16,3

34,6

São Paulo

       15.605

    123.738

35,4

281,0

Sul

         4.766

      11.483

16,4

39,6

Paraná

         4.693

      10.134

42,3

91,4

Santa Catarina

              16

        1.156

0,2

17,2

Rio Grande do Sul

              57

           193

0,5

1,7

Centro-Oeste

       27.339

      34.125

179,6

224,2

Mato Grosso do Sul

         1.089

        4.573

41,6

174,6

Mato Grosso

         2.333

        2.134

72,4

66,2

Goiás

       21.628

      26.158

331,6

401,0

Distrito Federal

         2.289

        1.260

80,2

44,2

Total

       85.401

    224.101

42,1

110,5

 

Casos graves, com sinais de alarme e óbitos

UF/Região

Casos confirmados

Óbitos confirmados

2014a

2015b

2014a

2015b

Dengue grave

Dengue com sinais de alarme

Dengue grave

Dengue com sinais de alarme

RO

0

4

0

0

0

0

AC

0

0

0

1

0

0

AM

2

2

0

1

2

0

RR

0

1

0

1

0

0

PA

1

3

0

2

1

0

AP

0

0

0

0

0

0

TO

0

20

1

0

0

0

Norte

3

30

1

5

3

0

MA

5

14

0

4

5

0

PI

1

1

0

2

0

0

CE

7

12

5

36

6

1

RN

0

15

0

4

0

0

PB

2

4

0

2

2

0

PE

6

5

1

2

11

0

AL

1

8

0

4

0

0

SE

0

1

1

0

0

1

BA

3

22

1

0

0

0

Nordeste

25

82

8

54

24

2

MG

6

126

3

36

6

1

ES

7

101

4

17

3

2

RJ

4

31

10

11

4

3

SP

17

210

58

681

9

35

Sudeste

34

468

75

745

22

41

PR

2

20

2

40

0

1

SC

0

0

0

1

0

0

RS

0

0

0

0

0

0

Sul

2

20

2

41

0

1

MS

2

28

2

3

1

2

MT

3

3

0

0

2

0

GO

28

244

12

63

17

5

DF

16

22

2

2

7

1

Centro-Oeste

49

297

16

68

27

8

Brasil

113

897

102

913

76

52

 

 

 

Por Carlos Américo, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa – Ascom/MS
(61) 3315-2577/3835/3580

Saúde baseada em evidências
Disque Saúde - Ouvidoria Geral do SUS
Ministério da Saúde - Governo Federal - Brasil