Crianças 0 a 6 meses

Crianças 0 a 6 meses

O leite materno é tudo de que o bebê precisa

O Ministério da Saúde recomenda o aleitamento materno até os dois anos de vida ou mais com alimentação complementar saudável, sendo exclusivo nos seis primeiros meses de vida da criança. O leite materno nessa fase é tudo de que o bebê precisa. Nem mesmo água é necessário oferecer, pois o leite materno também cumpre esse papel.

Até os seis meses, a oferta do leite materno ao bebê deve ocorrer em livre demanda, ou seja, conforme a vontade da criança, tendo como limite o seu apetite. Não há vantagem em se iniciar a oferta dos alimentos complementares nesse período. Ao contrário, a introdução alimentar antes dos seis meses de vida pode levar prejuízos à saúde da criança, tais como:

  •  Aumento dos episódios de diarreia;

  •  Aumento das doenças respiratórias;

  •  Risco de desnutrição se os alimentos introduzidos forem menos nutritivos que o leite materno, como, por exemplo, quando os alimentos são muito diluídos;

  •  Menor absorção de nutrientes importantes do leite materno, como o ferro e o zinco;

  •  Tendência à diminuição do período de amamentação.

DICA: Até os seis meses, dê à criança somente o leite materno, sem oferecer outros alimentos, nem mesmo chás ou água.

Não existe "leite fraco"!

A mulher deve se alimentar bem durante o período da amamentação. Porém, estudos comprovam que as mulheres produzem leite de ótima qualidade mesmo tendo uma alimentação pouco nutritiva.

Colostro: o primeiro leite do bebê

O leite dos primeiros dias após o parto, chamado de colostro, é produzido em pequena quantidade e é o leite ideal para o bebê nesse momento, inclusive para os prematuros. Espesso e amarelado, o colostro é rico em proteínas e anticorpos, o que contribui muito para a imunidade da criança. Por isso, garante proteção contra doenças.

Características do leite materno durante a mamada

Leite anterior

O leite anterior é o que sai logo no início da mamada. É importante porque traz muitos benefícios para a imunidade do bebê, porém, sozinho não supre as necessidades do bebê. Por ser rico em água, o leite anterior mata mais a sede do que a fome.

Leite posterior

Já o leite posterior, que vem no final da mamada, é rico em proteína e gordura. É o leite posterior que mata a fome e é essencial para o ganho de peso do bebê. É recomendado que o bebê esvazie a mama para que atinja o leite posterior.

IMPORTANTE: A privação do leite posterior pode dificultar o desenvolvimento da criança. Por isso, é importante deixar que o bebê mame até secar o peito antes de passar à outra mama.

E quando a mãe volta ao trabalho?

É difícil o momento em que termina a licença maternidade e a mãe precisa voltar a trabalhar. É um desafio de adaptação para a mulher e o bebê. Mas, com algumas medidas simples, é possível passar por essa transição numa boa sem que o bebê deixe de ser amamentado. Veja como:

1

Ofereça o peito sempre antes de sair para o trabalho e após seu retorno à casa, quantas vezes a criança quiser, principalmente durante a noite.

2

Procure uma Unidade Básica de Saúde ou um Banco de Leite Humano para aprender como fazer a extração manual do leite.

3

O leite extraído manualmente da sua mama deve ser coletado em pote de vidro (tipo de maionese ou café solúvel) com tampa plástica de rosca, previamente esterilizado fervido em bastante água (pote e tampa). O forro de plástico que vem encaixado na tampa também deve ser retirado. Colete em cada frasco de vidro apenas o volume aproximado para cada refeição.